O fumo e a nostalgia do Franquismo

A Espanha recentemente aprovou, em nível nacional, uma lei anti-fumo seguindo a mesma direção de muitas outras nações européias, onde leis anti-tabaco sao postas em prática. A lei está suscitando nos espanhóis, assim como em vários outros países europeus, a cólera dos fumantes. Já houve, no dia 26 de Janeiro deste ano, uma greve geral de profissionais de hotelaria da região de Palencia, e outras estão sendo pensadas através do país.

Estabelecimento hoteleiro em Palencia fechado durante a greve anti-fumo (foto de Damián Blanco)

O fumo, um hábito bastante enraizado em países como Itália e França (esta última notória por seus cafés e bares esfumaçados), começou a ser banido em locais fechados na Espanha em 2006, em escritórios e locais fechados de acesso público – ao que me parece, um pouco como aí no Brasil. Até há pouco tempo atrás, podia-se fumar em bares e restaurantes. Agora, o fumo nestes locais também foi proibido, e só se pode fumar em:

  • prisões,
  • instituiçoes psiquiátricas,
  • clubes de fumantes
  • e hotéis.

Estes últimos só podem reservar 30% de seus quartos a fumantes, e desde que estes tenham um sistema de ventilação adequado e independente, e que estejam isolados dos outros quartos.

É permitido fumar ao ar livre em recintos desportivos, como estádios, ou nos campi universitários. Mas, mesmo ao ar livre, há restrições para o fumo: não se pode fumar em nenhuma parte de hospitais, ou em parques ou zonas de lazer infantis. A lei anti-fumo espanhola é uma das mais duras da Europa, e há planos de torná-la ainda mais dura (!).

A estátua de Franco é retirada da Plaza del Ayuntamiento, sob protestos de simpatizantes Franquistas exibindo bandeiras falangistas.

Santander é uma cidade de forte influência Franquista: há bares na cidade onde os símbolos Franquistas são ostentados sem o menor pudor. A neta de Franco mora aqui, no bairro do Sardinero. Já entrei em um bar onde havia fotos antigas do dono do bar com o generalíssimo, e ainda há quem lamente a retirada da estátua de Franco da Plaza del Ayuntamiento, a principal praça da cidade, onde fica a prefeitura, um prédio belíssimo. Digo “ainda”, mas a estátua de Franco só foi retirada da cidade em 2008 – Santander foi a última cidade espanhola a retirar o grande símbolo da ditadura de suas ruas em muitas das quais, no entanto, sobrevivem os nomes dos criminosos dos bandos Franquistas.

Não sei se é de rir ou de chorar, mas nao me surpreendeu nada quando um dos professores (anti-Franco até a raiz) daqui do departamento onde trabalho, na Universidad de Cantabria, me enviou a foto abaixo por e-mail, rolando de dar risada. É uma foto tirada em um restaurante de Santander, mas ele não sabe qual, pois também recebeu a foto por e-mail de um outro amigo. Pelo visto o fumo é poderoso o bastante até mesmo para despertar velhos nacionalismos rançosos…

O generalíssimo é que era cabra arretado, com ele podia.

Acho que, só por diversão, vou procurar este restaurante. No que eu descobrir, comunico… para que se evite comer lá. 🙂

Anúncios
Esse post foi publicado em Direitos Humanos, Espanha, Internacional e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s